Última hora

Última hora

Rússia critica UE por levantar o embargo mas irá continuar a fornecer armas ao regime de Damasco

Em leitura:

Rússia critica UE por levantar o embargo mas irá continuar a fornecer armas ao regime de Damasco

Tamanho do texto Aa Aa

A diplomacia russa considerou esta terça-feira que o fim do embargo da União Europeia à venda de armas aos rebeldes põe em causa o processo de paz na Síria. Por outro lado, Moscovo, o principal fornecedor de armamento a Damasco, afirmou quer vai entregar baterias antiaéreas S-300 ao exército sírio, tal como foi contratado com o regime.

Segundo o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Ryabkov, estes mísseis terra-ar são um “fator de estabilidade no conflito” e vão “refrear os ânimos” sobre uma eventual intervenção internacional. Por outro lado, a Rússia considera que a decisão dos 27 vai “inflamar” ainda mais o conflito. Declarações que surgem um dia depois do ministro Serguei Lavrov ter reunido com o secretário de estado norte-americano, John Kerry, para preparar a próxima ronda de discussões entre governo e oposição em Genebra, no próximo mês.

As baterias S-300 são um moderno escudo antiaéreo que pode anular incursões aéreas na Síria.

Sem detalhar a que tipo de ações se referia, o ministro da Defesa de Israel disse que o seu país “saberá o que fazer” caso a Rússia concretize a entrega dos mísseis ao regime de Bashar al-Assad.

Israel está a realizar uma série de exercícios militares em terra e no mar, que incluem a preparação para ataques com armas químicas. As autoridades sublinham que Israel “se defenderá e reagirá a qualquer ameaça da parte da Síria”.