Última hora

Última hora

Neymar quer defrontar Messi na final do Campeonato do Mundo

Em leitura:

Neymar quer defrontar Messi na final do Campeonato do Mundo

Neymar quer defrontar Messi na final do Campeonato do Mundo
Tamanho do texto Aa Aa

Neymar vai finalmente jogar na Europa. Depois de protagonizar a transferência mais sonante do verão, o ex-avançado do Santos pôs fim a uma guerra entre Barcelona e Real Madrid pela sua contratação. Escolheu os catalães porque quer jogar ao lado de Messi. O avançado de 21 anos vai ser apresentado dia 3 de junho em Camp Nou mas os adeptos vão ter de esperar até agosto para o verem em ação. Antes, Neymar tem a missão de levar o Brasil à vitória na Taça das Confederações, um ano antes do Campeonato do Mundo.

A euronews esteve em Santos para conhecer a cidade mais carismática do futebol brasileiro: a cidade que viu crescer Pelé e Neymar. O primeiro deu três títulos mundiais ao Brasil, será que o mais jovem também vai conseguir oferecer aos brasileiros o título mais desejado?

Para o povo brasileiro a resposta é unânime: sim! Para Romário, que levou o escrete canarinho ao título mundial em 1994, o atacante de 21 anos certamente irá ajudar o Brasil a estar à altura das expectativas, até porque acredita que os grandes jogadores se distinguem graças ao sucesso no Campeonato do Mundo.

A pressão está toda em cima do camisola onze da canarinha. Na cabeça dos companheiros de equipa e do treinador Luiz Felipe Scolari há só um titular garantido na seleção: Neymar. Em 2012, o avançado marcou por nove vezes em onze jogos mas desde que Scolari chegou ao comando, o avançado piorou o rendimento. Os brasileiros exigem que Neymar seja o herói do mundial mas o jogador pede paciência: “Vai chegar o momento certo da seleção, temos um novo treinador que está a criar um novo sistema para a equipa e as coisas já começam a encaixar.”

A nova estrela do Barcelona não tem medo de desiludir os compatriotas no Campeonato do Mundo mas deixa bem claro que só a vitória interessa e que sonha com uma final com a Argentina e o novo colega de equipa Lionel Messi.

Sem medo das exigências do futebol europeu

Com a transferência para a Cidade Condal cresce a expectativa para saber como Neymar se irá adaptar ao futebol europeu e à Liga dos Campeões. Sempre que enfrentou seleções europeias com a camisola do Brasil, o ex-jogador do Santos desiludiu os espetadores que não viram os seus habituais dribles nem jogadas geniais.

Para o futebolista, trata-se de uma falsa questão: “Quando jogo na Europa, faço sempre as mesmas coisas que faço pelo Santos e que nem sempre dão certo. Se assistirem a um jogo inteiro pelo Santos, das 15 vezes em que eu tento uma jogada de drible, dez vezes erro e só acerto cinco. As pessoas que me criticam não veem uma temporada inteira, assistem um jogo ou outro e depois criticam.”

Neymar vai mesmo mais longe, referindo que não encontra nenhuma diferença entre jogar no Brasil ou na Europa e que se conseguir mostrar a sua qualidade, o futebol é sempre o mesmo.

O crescimento económico e desportivo do Brasileirão

Há vários anos que os tubarões do futebol europeu tentavam seduzir o craque e só o crescimento da economia brasileira permitiu ao Santos manter Neymar por tanto tempo. Como resultado, no último ano o valor comercial do clube cresceu 70%. O Corinthians, principal clube do Brasil, também cresceu na ordem dos 34%.

O petróleo, a maior concorrência pelos direitos televisivos e novos investimentos de empresas privadas mudaram o rumo do futebol brasileiro, que hoje já não se limita a exportar e começa a ter capacidade para atrair jogadores com nome feito no Velho continente. As contratações de Clarence Seedorf (Botafogo), Fred (Fluminense), Alexandre Pato (Corinthians), Luís Fabiano (São Paulo) e Diego Forlán são exemplo disso mesmo.

Para Romário, a explicação é simples: “Algumas empresas privadas investiram no futebol por que estamos num período de Campeonato do Mundo. Tudo o que se refere a futebol e principalmente grandes jogadores da seleção brasileira é uma montra bem aproveitada pelas empresas para divulgarem o seu nome. Espero que isso continue eternamente, mas não vai ser assim.”

O rumo do futebol brasileiro pós-mundial é ainda uma incógnita, se o Brasileirão vai ou não atrair mais talentos europeus também. A única certeza é que Neymar, o maior talento brasileiro dos últimos anos, não resistiu à tentação de trocar o país do samba pelo futebol europeu.