Última hora

Última hora

Erdogan admite investigar uso excessivo de força

Em leitura:

Erdogan admite investigar uso excessivo de força

Tamanho do texto Aa Aa

O chefe de governo turco promete agir caso se comprove o uso excessivo de força por parte da polícia

Os confrontos da véspera provocaram dezenas de feridos. Os manifestantes dizem ter sido reprimidos pelas forças da ordem.

O discurso de Recep Tayyip Erdogan contribuiu para dissipar a tensão patente nas ruas, ao início da manhã:

“Apesar das provocações protagonizadas por organizações ilegais, dos estragos provocados em lojas, dos ataques com pedras e bombas, a polícia agiu no exercício das suas funções. Dei, no entanto, instruções ao ministro do Interior e ao governador para que tomem as medidas necessárias caso se verifique o uso excessivo de força por parte dos agentes da lei.”

O primeiro-ministro exige o fim das manifestações e diz que o projeto de urbanização no parque Gezi é para manter.

O projeto que prevê o abate de centenas de árvores está na origem da contestação, mas há outras questões alvo de protesto. É o caso da aprovação de uma lei que proíbe a venda de álcool entre as 22h00 e as 06h00, uma medida com motivações religiosas, segundo a oposição.

Os manifestantes pedem, agora a demissão do primeiro-ministro e prometem não arredar pé.

Os protestos estendem-se a outras cidades da Turquia. Muitos acreditam que este pode ser o início de uma primavera turca.