Última hora

Última hora

Mentes Brilhantes, Patenteadas e Premiadas

Em leitura:

Mentes Brilhantes, Patenteadas e Premiadas

Tamanho do texto Aa Aa

Inventores de diversas nacionalidades e áreas tecnológicas reuniram-se em Amsterdão para a entrega do Prémio Europeu de Inventores, uma iniciativa do Instituto Europeu de Patentes, em cooperação com a Comissão Europeia. Um júri internacional selecionou 15 finalistas a partir de centenas de candidatos.

A cerimónia teve lugar num edifício histórico, o “Beurs van Berlage” em Amsterdão. Benoit Battistelli é o presidente do Instituto Europeu de Patentes.

euronews: “O Prémio Inventor Europeu torna-se cada vez mais importante ano após ano, qual é a sua opinião sobre isso?”

Benoit Battistelli, Presidente do Instituto Europeu de Patentes: “Na verdade, acredito que este prémio ilustra a contribuição de inventores para a sociedade em geral e na economia em particular, ganha importância a cada ano. A nossa ambição é que o prémio se possa tornar mais tarde tão famoso como o Prémio Nobel, que seja o Nobel da Inovação”.

euronews: “A tensão atinge o seu ponto alto, a princesa da Holanda está prestes a chegar e todos esperam o anúncio dos vencedores.”

Cerca de 500 convidados participaram da cerimónia, incluindo a ex-rainha da Holanda.

Na categoria “Investigação”, Patrick Couvreur juntamente com a equipa recebeu o prémio por um método de tratamento do cancro, mais eficaz do que a quimioterapia atual.

Em 2005 criaram umas nano-cápsulas 70 vezes menores do que os glóbulos vermelhos do sangue, que destroem as células cancerosas sem danificar os tecidos saudáveis.

Patrick Couvreur: “Quando os medicamentos anticancerígenos são administrados, são distribuídos por todo o organismo, por diferentes tecidos e órgãos e não apenas nas células cancerosas. Assim, o objetivo das nanopartículas é tratar a molécula anticancerígena de forma seletiva, somente ao nível da célula ou do tecido canceroso”.

Na categoria de pequenas e médias empresas, o inventor sueco Pål Nyrén ganhou o prémio pela invenção de um método de sequenciação rápido e económico das cadeias de ADN.

Este novo método abriu novos caminhos de pesquisa para o tratamentos de doenças como o cancro. Esta abordagem revolucionária usa propriedades fotorreativas de substâncias químicas e enzimas que atuam sobre o ADN.

Pål Nyrén, inventor: “O ADN é a molécula da vida. Se entendermos o código de ADN podemos entender muitas doenças, como o cancro. E podemos ajudar a curá-las. Também pode ser aplicado noutras áreas, como na produção de energia e alimentos. E assim compreender melhor a relação entre os seres humanos e o meio ambiente. Grandes questões que podem ser entendidas através da leitura do ADN e dos pormenores.”

O Prémio carreira foi entregue a Martin Schadt o inventor suíço responsável pelo LCD. A próxima cerimónia acontece no próximo ano, em Berlim.