Última hora

Última hora

Europa central debaixo de água

Em leitura:

Europa central debaixo de água

Tamanho do texto Aa Aa

O rio Elba galgou as margens, esta quinta-feira, e inundou a cidade de Dresden, na Alemanha. Habitantes e autoridades tentam proteger o centro histórico da cidade. O nível das águas atingiu a marca dos 8,76 metros, abaixo dos 9, 40, registados em 2002 e que devastou a capital da Saxónia.

Milhares de voluntários tentam reforçar os diques com sacos de areia.

“O medo é muito grande mas as pessoas são fantásticas, mantêm-se juntas,” assegura uma habitante de Dresden.

Antes de entrar na Alemanha, o Elba atravessa parte da República Checa, onde as cheias fizeram 8 mortos e mais de 19 mil deslocados.

Em Decin, no maciço da Boémia, o rio Elba, que aqui assume o nome Labe, subiu até aos 10,5 metros. Em 2002, o rio atingiu os 11. A montante fica a central química de Lovosice que está agora protegida por diques, construídos depois das enchentes de 2002.

A cidade de Melník, a norte de Praga, é uma das cidades mais atingidas pelas águas pois encontra-se perto do local onde o rio Moldava desagua no Elba. Os agricultores da região temem que os danos sejam semelhantes aos registados em 2002.

Na capital, a situação melhorou depois do rio Moldava ter recuado, depois de cinco dias de inundações. Agora a população dedica-se à limpeza e a avaliar os estragos.

Na Europa central, o Danúbio é também fonte de preocupações, galgando as margens O segundo maior rio do continente já causou estragos na região da Baviera.

A vigilância mantém-se na Alemanha e na Áustria, em especial na região vinícola de Wachau, a leste de Viena. O recuo das águas já começou mas a situação continua tensa. Muitas pessoas estão isoladas, sem eletricidade ou água potável.

Em Bratislava, capital da Eslováquia, o Danúbio triplicou de nível. Esta quinta-feira as águas atingiram os 10,30 metros, 10 centímetros abaixo do máximo registado.

A Hungria prepara-se para a cheia. As zonas ribeirinhas de Budapeste foram protegidas com diques. Espera-se que as águas atinjam os nove metros já esta sexta-feira.