Última hora

Última hora

França: Polícia detém suspeitos da morte de ativista de esquerda

Em leitura:

França: Polícia detém suspeitos da morte de ativista de esquerda

Tamanho do texto Aa Aa

A polícia francesa deteve esta quinta-feira quatro suspeitos – três homens e uma mulher – de terem estado envolvidos, em Paris, na morte de Clément Méric. O jovem de 18 anos, foi brutalmente agredido na quarta-feira, no centro de Paris, e no hospital foi declarado em estado de morte cerebral, tendo as máquinas que mantinham o corpo ativo sido desligados esta quinta-feira. Este é um caso que está abalar a França e ainda mais pelas motivações políticas que estiveram na base do sucedido. Méric era um jovem ativista de esquerda e envolveu-se, segundo testemunhas, numa discussão com um trio de skinheads quando visitava com amigos uma loja de roupa, no centro da capital francesa.

O grupo de agressores foi identificado como skinhead e relacionado ao JNR, o partido dos jovens revolucionários nacionalistas da extrema-direita francesa, cujo líder, porém, se demarcou do caso. Depois da discussão, o grupo reforçou-se e terá esperado por Clément à saída da loja, onde o agrediu com violência. Uma testemunha recorda ter visto “uma luta”: “Eram vários a bater-lhe. Muitas pessoas tentaram intervir, mas não conseguiram. Ele tinha sangue a escorrer pelo nariz e pelos ouvidos. E começou a sofrer convulsões.”

Outra testemunha reparou que Clément “era apenas um e estava cercado por outras pessoas”. “Não percebemos o que se passou. Vimos alguém aos saltos e a gritar. Foi tudo muito rápido, não deu para nada”, lamentou.

O ministro do Interior francês esteve, entretanto, no local esta quinta-feira de manhã e colocou o caso no topo da agenda. Manuel Valls reforçou as palavras do presidente François Hollande e prometeu tudo fazer para punir os culpados. Entre os quatro detidos está, tudo indica, o autor do golpe fatal em Clément, que já terá negado a intenção de matar.

Na Universidade Sciences Po, onde a vítima estudava, o sentimento é, naturalmente, de pesar. “Estou aqui porque ele era um colega. Era alguém com quem partilhámos ideias e sinto-me tocado. Quando alguém é assassinado desta forma apenas pelas ideias que tem, isso preocupa-me”, afirmou um estudante que se deslocou à universidade em sinal de luto por Clément Méric. As lágrimas provocadas por este caso refletem bem o impacto em França da violenta morte do jovem estudante e ativista de 18 anos às mãos de um grupo radical skinhead. As manifestações de pesar por Clément sucedem-se no país e especialmente em Paris.