Última hora

Última hora

Justiça de Malta alega falta de provas para incriminar o ex-comissário Dalli

Em leitura:

Justiça de Malta alega falta de provas para incriminar o ex-comissário Dalli

Tamanho do texto Aa Aa

A justiça de Malta não vai abrir um processo-crime por corrupção ou tráfico de influências contra o ex-comissário europeu John Dalli por falta de provas. O antigo titular da pasta da Saúde e Direitos do Consumidor deixou o cargo em outubro, depois do seu nome ter sido manchado por uma investigação do organismo europeu de luta antifraude (OLAF).

Apesar de John Dalli ter iniciado um processo contra a Comissão Europeia por despedimento sem justa causa, a porta-voz da instituição, Pia Ahrenkilde Hansen, reagiu: “Relativamente à demissão do Sr. Dalli, fica tudo na mesma, uma vez que ele se demitiu porque a sua situação se tornara politicamente insustentável tendo em conta os factos e as conclusões do inquérito do OLAF”.

O problema é que a investigação não apresenta provas diretas contra Dalli, ao avançar que ele estava a par dos esquemas de tentativa de corrupção de um empresário maltês junto de uma tabaqueira sueca. O ex-comissário diz-se vítima de um complô da indústria tabaqueira, justamente na altura em que preparava uma nova diretiva europeia antitabaco.