Última hora

Última hora

Entretanto, no interior da ERT...

Em leitura:

Entretanto, no interior da ERT...

Tamanho do texto Aa Aa

Jornalistas, sindicalistas, pessoal técnico… Ninguém arreda pé das instalações da ERT. Aliás, a emissão continua. Não a habitual, mas estão a ser conduzidas entrevistas num estúdio a membros da oposição que são transmitidas em streaming, na internet.

O correspondente da euronews, Stamatis Giannisis, no interior do complexo, afirma que “apesar de o governo ameaçar os ocupantes com processos por invasão, os funcionários da ERT tomaram este edifício e fazem turnos para vigiar as entradas, de forma a prevenir uma eventual intervenção policial.”

Ao longo dos corredores, foram colocados cartazes com uma frase que resume tudo: “a revolução não vai passar na televisão.” Um dos funcionários salienta que “a polícia não vai intervir, porque o povo está a proteger-nos. E nós protegemos as instalações. É o nosso dever.” Outro realça que “para os trabalhadores, a ERT ainda está no ativo. Não é propriedade do governo, não a pode encerrar.”

Alegadamente, o objetivo do governo, ao esvaziar a ERT, é reabrir no final de agosto com os funcionários reduzidos ao estritamente necessário.