Última hora

Última hora

Protesto em Bruxelas contra encerramento da televisão pública grega

Em leitura:

Protesto em Bruxelas contra encerramento da televisão pública grega

Tamanho do texto Aa Aa

“Um ataque à democracia” – foi assim que vários manifestantes classificaram o encerramento da ERT, a estação pública de televisão e rádio grega, num protesto em frente à embaixada da Grécia, em Bruxelas, esta quarta-feira. Além do governo helénico, as críticas visaram sobretudo a troika, cujas exigências incluem uma redução brutal do número de funcionários públicos.

“É como se estivéssemos a ser colonizados por um poder externo”, descreve um jovem. “É crucial sair às ruas aqui em Bruxelas, o centro da Europa, para dizer ao Parlamento Europeu e à Comissão Europeia que é preciso salvar a televisão pública na Grécia”, lança outro rapaz. No entanto, este apelo arrisca-se a cair em saco roto. A Comissão Europeia já fez saber que não questiona a decisão das autoridades gregas, mas garantiu que não pediu o encerramento da ERT.

O porta-voz da Comissão Europeia, Olivier Bailly, declarou: “A decisão das autoridades gregas deve ser interpretada no contexto dos esforços, grandes e necessários, que as autoridades estão a tomar para modernizar a economia helénica, os quais incluem melhorar a eficiência e a eficácia do setor público.”

Um balde de água fria para quem esperava uma reação de solidariedade da Comissão Europeia, como o correspondente da ERT em Bruxelas, Vangelis Demiris. “A Comissão defende que não participou nas discussões, que não está implicada neste caso, mas não é verdade”, afirma. “A Comissão, a Troika exigiram os despedimentos e, pelos vistos, as ameaças tiveram sucesso: a Grécia submeteu-se às exigências da Troika e 2656 pessoas ficaram sem emprego. Veremos se nas próximas semanas não haverá mais más surpresas”, conclui.