Última hora

Última hora

Basileia no centro da arte

Em leitura:

Basileia no centro da arte

Tamanho do texto Aa Aa

Mundialmente famosa, a feira de arte de Basel, em Basileia abre portas novamente este ano. Com obras de mais de três centenas de galerias abrangendo arte, escultura ou fotografia dos grandes mestres modernos até à última geração de estrelas emergentes.

A pintura “Homem com Cachimbo”, de Pablo Picasso deverá render cerca de 3 milhões 400 mil euros e as obras do alemão Gerhard Richter estão entre os destaques deste ano.

Marc Spiegler, diretor “Art Basel”: “Creio que uma tendência que vemos é que os artistas estão cada vez menos dispostos a ser definidos como sendo um tipo de artista. Artistas mais jovens não vão dizer: “Eu sou um fotógrafo, ou sou um escultor”. Alguém vai fazer escultura uma vez e performance na outra. Creio que desenvolvem as suas obras de arte e revolvem em torno de um certo tipo de ideia e pensam qual meio que melhor suporta essa ideia.”

A “Art Basel” é considerada a feira de arte de referência em todo o mundo e tem sido descrita como as “Olimpíadas do mundo da arte”.

Adam Scheffer, Galeria Cheim e Reid, Nova York: “Bem, a qualidade está definitivamente lá. Eu sei que há muitas feiras de arte. E torna-se cada vez mais claro que as pessoas estão sempre a guardar o melhor material para a Basel. Este é o padrão pelo qual toda a gente está a ser julgada e é muito claro este ano procuram obter as melhores coisas possíveis”.

A “Art Basel” é mais do que apenas uma sala de troféus para a arte mais conhecida e mais cara. É também uma plataforma para os artistas menos estabelecidos entrarem no mercado.

Lisa Schiff, conselheira de arte: “Não acredito que têm de tentar encontrar compradores. Os compradores é que os encontram. Se a arte é realmente boa, se é muito boa vende-se. Não é preciso acontecer nenhuma tentativa de venda. E a arte aqui em Basel, honestamente, a maior parte é espetacular. Normalmente vende-se muito rapidamente.”

Para muitos colecionadores internacionais, é o evento de participação obrigatória no calendário anual. A arte é cada vez mais uma forma alternativa de investimento. Este ano, são esperados cerca de sessenta mil amantes das artes.