Última hora

Última hora

Iranianos da Diáspora pedem liberdade para os jovens como nos Estados Unidos

Em leitura:

Iranianos da Diáspora pedem liberdade para os jovens como nos Estados Unidos

Tamanho do texto Aa Aa

No Festival Anual de Folclore de Washington, uma das estrelas é Mahboob Navab, nascida em Shiraz, no Irão, residente nos Estados Unidos há 38 anos. Canta velhas canções do seu país para compensar a perda da cultura nativa. O público adora-a e Mahboob fica muito feliz em trazer um pouco das tradições iranianas para a terra adotiva de Maryland. Ela é apenas uma entre 300 mil concidadãos nascidos no Irão e residentes nos Estados Unidos, onde mais de um milhão de americanos são de origem iraniana. Mahboob Navab: “Dói-me ver que há muitos jovens no Irão que não têm a mesma a liberdade que eu para cantar ou para sair como querem”.

Reza Marashi, diretor de investigação no Conselho Nacional Iraniano-Americano vai mais longe nas críticas e afirma que estas eleições presidenciais não serão nem livres nem justas: “Os iranianos estão fartos de apanhar de todo o lado: má gestão, corrupção, nepotismo, violações dos direitos humanos…e grande parte desses problemas são causados pelo próprio governo. As sanções dos países ocidentais estão a asfixiar ainda mais o país.” Marashi: “Melhorar as relações entre o Irão e Ocidente é mais uma maratona do que um sprint. Acho que a falta de confiança é tal e as diferenças em termos de políticas são tão enormes que um processo diplomático para tratar de fechar essa brecha e criar um clima propício para o diálogo vai ser um desafio muito grande.”

Stefan Grobe, euronews – Que deseja aos compatriotas que estão no Irão?

Mahboob Navab:

“Desejo-lhes liberade. Gostava que todos os jovens tivessem a mesma liberade que os nossos filhos têm aqui.”

A comunidade iraniana nos Estados Unidos não tem grandes esperanças sobre os resultados das próximas eleições. As mudanças democráticos, vão levar anos ou mesmo décadas. Aqui só espera que a nova geração de iranianos possa, um dia, decidir o próprio destino.”