Última hora

Última hora

Irão: Regime condiciona cobertura jornalística das presidenciais

Em leitura:

Irão: Regime condiciona cobertura jornalística das presidenciais

Tamanho do texto Aa Aa

O regime iraniano impôs severas restrições à cobertura mediática das eleições presidenciais desta sexta-feira, em particular aos meios de comunicação social estrangeiros. A denúncia foi feita por organizações internacionais como a associação Repórteres Sem Fronteiras, com sede em Paris.

“É difícil para os jornalistas estrangeiros movimentarem-se livremente no Irão. Eles estão sob vigilância permanente porque os tradutores iranianos são-lhes impostos pelo regime, pelo que lhes é impossível assistirem aos comícios, chamemos-lhes assim, dos candidatos da oposição” – Soazig Dollet, responsável pela secção do Médio Oriente e Norte de África, explica que também a internet está atualmente debaixo de apertada vigilância – “A internet é extremamente lenta, praticamente encontra-se bloqueada. O que é muito preocupante relativamente aos acontecimentos desta sexta-feira.”

No plano interno, Francis Perrin, porta-voz da secção francesa da Amnistia Internacional, denuncia o clima de intimidação sobre os jornalistas iranianos – “Esta repressão traduz-se essencialmente em detenções arbitrárias, em processos sumários e outras formas de assédio. As vítimas, ou principais categorias de vítimas, são geralmente profissionais dos média, jornalistas, e militantes políticos da oposição.”

O regime de Teerão deseja evitar os confrontos registados depois das últimas presidenciais, em 2009, e a difusão de imagens comprometedoras na internet e nos meios de comunicação social internacionais.