Última hora

Última hora

"A minha creche é um avião"

Em leitura:

"A minha creche é um avião"

Tamanho do texto Aa Aa

Qual é a melhor opção na altura de escolher um infantário? Pode a decisão ter impacto no desenvolvimento cognitivo e social da criança? E que tal uma creche dentro um avião? Pode a criatividade fazer a diferença? Vários projetos estão a explorar diversos caminhos para estimular o desenvolvimento pedagógico das crianças. Neste Learning World, apresentamos algumas ideias originais.

Friedrich Fröbel era um especialista alemão na área da Educação, tendo criado, em 1840, o conceito “jardim-de-infância”, agora generalizado a todo o ensino pré-escolar. Aparentemente, a inspiração era literal: um jardim para crianças. Mas e se fosse, por exemplo, um avião? Fomos até à Geórgia conhecer uma creche muito especial. Se, muitas vezes, a chegada das crianças pode ser algo caótica, entre carros mal estacionados ou a pouca vontade de ficar, o caso deste espaço escolar em Rustavi, na Geórgia, foge completamente a esse cenário. Até porque há um velho avião Yakovlev 42 para brincar. E, aqui, nem tem de se esperar pelo convite do piloto para entrar no cockpit.

As atividades lúdicas nos infantários podem ajudar as crianças a desenvolver inúmeras capacidades. Mas a contribuição dos pais é indispensável. No Japão, existe um projeto que incentiva ao envolvimento dos progenitores na vida pré-escolar, mesmo quando trabalham o dia todo. A singularidade do infantário Danno começa na sua localização, dentro de um templo budista, no centro de Quioto. Mas há mais: os horários de funcionamento são muito alargados, uma vez que há vários pais que estão ocupados a maior parte do dia; alguns, como os médicos e enfermeiros, mesmo à noite. As crianças que têm de ficar até mais tarde teriam, normalmente, menos oportunidades para comer refeições caseiras. Foi por isso que a diretora pediu aos pais para trazerem, pelo menos duas vezes por semana, uma caixa com “bento”, um colorido prato tradicional japonês, para alimentarem os laços emocionais, quando a distância é um imperativo.