Última hora

Última hora

A Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

Em leitura:

A Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

Tamanho do texto Aa Aa

Dois anos depois da Primavera Árabe ter feito cair o antigo regime, trazendo a democracia, a via continua a ser difícil para uma grande parte da Tunísia.

O governo islâmico do presidente Moncef Marzouki dirigido pelo partido moderado Ennahda não conseguiu, até ao momento, recuperar a economia. O desemprego e a inflação mantêm-se elevados.

O assassinato do opositor Chokri Belaid, em Fevereiro, provocou grandes manifestações. O governo combate salafistas e outros extremistas islamitas. Mas a oposição continua profundamente dividida e os salafistas reclamam um Estado islâmico para substituir a recente democracia.

De que forma as eleições que terão lugar este ano poderão mudar a paisagem política? Ou está a Tunísia condenada a mais instabilidade? E que papel deverá ter a União Europeia na estabilização da Tunísia e dos outros governos da região?

Nesta edição de The Network, Latifa Habbechi, membro do partido Ennahda e deputada tunisina, Youssef Ben Abdeljelil, presidente do partido da oposição Nidaa Tunes na Bélgica e no Luxemburgo, e Michael Gahler, eurodeputado e chefe dos observadores da União Europeia para as eleições tunisinas de 2011, respondem às questões de Chris Burns.