Última hora

Última hora

Uma Bienal de Veneza das arábias

Em leitura:

Uma Bienal de Veneza das arábias

Tamanho do texto Aa Aa

Os bancos antigos de Veneza encheram-se novamente este ano, com a chegada do estimado meio milhão de visitantes, para desfrutar da ilustre Bienal da cidade. Já com 55 edições, a participação árabe na bienal foi maior do que nunca, com dez novos pavilhões das nações árabes. O Reino do Bahrain apresentou o trabalho de três artistas diferentes – Mariam Haji, Camille Zakharia e Waheeda Malullah.

Waheeda Malullah, artista: “Em primeiro lugar acho que a participação em Veneza é um grande reconhecimento do meu país! Estou extremamente satisfeita porque sinto que, através do meu próprio trabalho, também estou a representar as mulheres artistas de todo o Bahrain e estou extremamente feliz com isso.”

O trabalho de Malullah é uma coleção de fotografias, que narram a viagem de uma jovem de uma aldeia remota do Bahrein até uma próspera metrópole.

Waheeda Malullah: “Sou fotógrafa, porque uso a câmera como um meio, o meu meio. Mas o que se passa na minha mente é muito mais conceptual. Há alguns fotógrafos que só fotografam belas paisagens. Eu podia fazer isso, mas nunca é apenas a paisagem…É da minha própria criação e imaginação, mas não é algo que eu vi e apenas fotografei.”