Última hora

Última hora

Horn: um nome associado à queda do Muro de Berlim

Em leitura:

Horn: um nome associado à queda do Muro de Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

O nome de Gyula Horn está ligado para sempre à queda do Muro de Berlim ou Cortina de Ferro, que dividia a Europa em dois blocos desde a II Guerra Mundial.

Em junho de 2004, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Gyula Horn e o homólogo austríaco, Alois Mock, regressaram ao lugar onde 15 anos antes, tinham cortado o arame farpado que separava ambos os países. Em maio desse ano, a Hungria tinha aderido à UE. Gyula Horn agradeceu a colaboração do homólogo austríaco.

Gyula Horn: “confiamos um no outro e quero que o sonho europeu se converta em realidade: que um possa nascer, mas também viver e morrer na Europa.”

Horn adquiriu popularidade internacional nesse dia 27 de junho, quando cortou simbolicamente o arame farpado com o homólogo austríaco. Esse gesto por parte do chefe da diplomacia de um país do bloco comunista como a Hungria teve uma consequência inesperada: a queda do muro de Berlim.

Ao abrir a passagem para a Áustria, milhares de refugiados de Alemanha do Leste, entraram, com total liberdade, na República Federal. Porque em setembro do 89, Budapeste já não exigia vistos aos alemães de Leste para viajar para um terceiro país em virtude de um acordo com a República Democrática Alemã. Como era previsível, registou-se um afluxo em massa de 15 mil pessoas que entraram na RDA em três dias.

Horn foi também o artífice do acordo com a antiga URSS a 10 de março de 1990, para a retirada total das tropas soviéticas colocadas na Hungria. Um paradoxo para este economista e funcionário público do ministério dos Negócios Estrangeiros que se filiou no partido comunista húngaro em 1954 e que, dois anos depois, durante o levantamento popular anticomunista participou numa força paramilitar que colaborou com o ocupante soviético.

Gyula Horn continuou a desempenhar um papel importante depois da queda do comunismo. Em 1994 converteu-se em primeiro-ministro depois da vitória eleitoral do seu partido, convertido em social – democrata e prosseguiu a transição para a economia de mercado iniciada por Hungria. Também apoiou pela integração do país na NATO e na União Europeia.

Horn obteve, entre outros, o prémio Carlos Magno, em 1990, e a Gran Cruz da República Federal de Alemanha como reconhecimento a sua contribuição para a paz e para a unidade do continente europeu.