Última hora

Última hora

Papagaios de vento ao serviço dos refugiados

Em leitura:

Papagaios de vento ao serviço dos refugiados

Tamanho do texto Aa Aa

Seriam necessários mais de sete milhões e meio de papagaios de vento para que todos os novos refugiados registados em 2012 pudessem escrever uma mensagem aos líderes mundiais.

A tarefa está, agora, nas mãos de 500 crianças refugiadas na Jordânia. O número de pessoas a fugir à violência é cada vez maior e são muitos os que, na véspera do Dia Mundial do Refugiado, pedem soluções.

“Há crianças a ser massacradas. Vi os meus amigos serem mortos e isso não é justo. Esta é a mensagem que quero enviar aos líderes de todo o mundo” refere Marah Ismael, refugiada síria.

Muitos sonham, apenas, com o regresso a casa. “Sou refugiado e quero voltar à Síria, quero voltar ao meu país” afirma Ibrahim Ahmed.

A maioria das crianças e adultos chegam de países como a Síria e o Afeganistão. As Nações Unidas fizeram as contas e garantem que a cada quatro segundos há um novo refugiado. Uma tendência que os mais pequenos querem contrariar.