Última hora

Última hora

Grécia: crise da televisão pública reduz governo a "bloco central"

Em leitura:

Grécia: crise da televisão pública reduz governo a "bloco central"

Tamanho do texto Aa Aa

O governo grego prepara uma remodelação, na próxima semana, depois do saída do partido minoritário Esquerda Democrática da coligação tripartida, na sexta-feira.

Com uma maioria de apenas três deputados no parlamento, o executivo que reúne agora os velhos inimigos conservadores e socialistas rejeitou ontem a necessidade de convocar eleições antecepidas, apesar da impopularidade crescente das duas formações.

Nas ruas de Atenas, um residente não esconde o pessimismo, “estes dois últimos anos foram terríveis. E se a situação continuar assim por mais três ou quatro meses, vamos ter de encerrar o país. Olhe para as pessoas, para este mercado, antes estava cheio de gente e agora há cada vez menos compradores”.

Outro residente afirma, “as pensões diminuíram e eu tenho um problema nas mãos que exige várias operações e assistência médica quase permanente. E, ao mesmo tempo, veja os salários dos trabalhadores da televisão pública. Porque é que reduzem as nossas pensões e não diminuem os salários deles? Não digo despedi-los, mas pelo menos que passem a ganhar menos”.

Se a coligação governamental reduzida reafirmou ontem o seu compromisso com o programa de ajustamento, assim como os dissidentes da Esquerda Democrática (ED), as dúvidas persistem sobre o futuro do canal público de televisão.

Sem um acordo para reestruturar o canal, e com uma frágil maioria no parlamento, os trabalhadores da ERT voltaram ontem a desafiar uma ordem do governo para suspenderem as emissões piratas.

As negociações sobre o tema, na quinta-feira, tinham precipitado a saída da ED do executivo, depois de rejeitar uma proposta do primeiro-ministro Antonis Samaras, para reabrir o canal com menos de um terço dos trabalhadores.

Pressionado pelo acordo com a Troika para reduzir 4 mil trabalhadores públicos este ano, o governo grego não hesitou nas últimas semanas em anunciar o encerramento da ERT que conta com mais de 2400 trabalhadores.