Última hora

Última hora

Berlusconi, uma vida nos tribunais

Em leitura:

Berlusconi, uma vida nos tribunais

Tamanho do texto Aa Aa

Será que este homem vai um dia para a prisão? Pode um dia voltar à política? Ele nunca teve dúvidas disso e sempre quis dar uma imagem de força, face aos processos contra ele: “Caros amigos, como sabem, as tempestades não me metem medo. Em 17 anos vi muita coisa. Já me tentaram, de todas as maneiras, afastar da política e da história”, disse Berlusconi numa comunicação ao país em 2011.

Desde que chegou pela primeira vez ao poder, em 1994, a justiça não deixou Silvio Berlusconi. Desde então, já teve cinco processos e três condenações, a um total de seis anos e cinco meses de prisão. Em todos os processos, ou foi absolvido ou beneficiou da prescrição judicial dos crimes.

Há três processos ainda em curso. Um deles é o da Mediaset, o império mediático que detém. Sobre o grupo pesa a acusação de ter inflacionado os direitos de transmissão de filmes, antes de os revender.

A operação terá permitido a Berlusconi desviar 35 milhões de euros e fugir ao fisco em oito milhões. Foi condenado, quer em primeira, quer em segunda instância, a um ano de prisão e cinco anos de afastamento dos cargos públicos.

Berlusconi apresentou um último recurso. A decisão deve ser tomada antes da prescrição, o que significa que desta vez pode mesmo ir para a prisão.

Já no processo Unipol, é improvável que Berlusconi venha a cumprir pena. Foi condenado, em março, por violação do segredo de justiça, quando um jornal do grupo a que preside publicou o conteúdo de uma conversa telefónica. Como o processo ainda vai no início, quando os recursos se esgotarem, o mais provável é que o crime tenha já prescrito.

Em Itália, quando o arguido tem mais de 75 anos e a pena é inferior a dois anos, regra geral a pena não é executada. Uma norma que tem servido a Berlusconi como uma luva.

O caso Rubygate está a ser uma verdadeira dor de cabeça para “Il Cavaliere”. Berlusconi é acusado de relações sexuais com menor e ainda de ter usado a influência de primeiro-ministro para libertar Ruby, que tinha sido acusada de um furto. Como o caso só prescreve em 2020, Berlusconi terá esgotado todos os recursos até lá.

Mais do que todos os outros, este é o caso que pode significar um fim definitivo na carreira de Silvio Berlusconi, autêntica fénix capaz de renascer vezes sem conta, há 20 anos a jogar ao gato e ao rato com a justiça italiana. Pode nunca ir para a prisão, mas só dificilmente voltará à política ativa.