Última hora

Última hora

Egito: Chefe do estado-maior do exército faz ultimato aos políticos

Em leitura:

Egito: Chefe do estado-maior do exército faz ultimato aos políticos

Tamanho do texto Aa Aa

O chefe do estado-maior do exército egípcio deu 48 horas aos responsáveis políticos para “satisfazerem as reivindicações do povo”, que, segundo ele, se exprimiu de forma “sem precedentes”.

O Egito está profundamente dividido entre os adversários do presidente Mohamed Morsi, que denunciam uma deriva autoritária do poder, e os apoiantes que querem ver reforçada a legitimidade conquistada nas urnas.

“Tivemos uma revolução contra uma situação que era muito melhor que a atual.
Como hoje estamos muito pior, é natural que o número das pessoas que se queixam da situação tenha duplicado”, disse uma manifestante anti-Morsi.

“Morsi não vê que o país está a afundar-se? Devia compreender isso e também que o povo já não o quer. Que seja honesto”, questionou um outro.

Para os apoiantes do presidente egípcio a leitura dos factos é outra.

“O grande número de manifestantes verificado ontem é natural. O antigo Partido Nacional Democrático, tinha três milhões de militantes na era de Hosni Mubarak, por isso não é de estranhar o grande número de pessoas que se manifestaram ontem. O mais importante é que devia ter sido pacificamente “, afirmou um apoiante de Morsi.

Cinco ministros demitiram-se depois de 14 milhões de manifestantes terem saído para as ruas e pelo menos 18 pessoas morrerem nos confrontos entre apoiantes e opositores de Morsi em todo o país.