Última hora

Última hora

Egito: Exército disposto a sacrificar-se para defender o povo

Em leitura:

Egito: Exército disposto a sacrificar-se para defender o povo

Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos dezasseis pessoas morreram e outras 200 ficaram feridas nos confrontos desta noite durante uma manifestação de apoiantes do presidente egípcio junto à Universidade do Cairo.

A tensão está ao rubro depois de Mohammed Morsi reafirmar que não abandona a chefia de Estado.

Em reação ao discurso do presidente, o chefe das Forças Armadas disse que o Exército está disposto a “sacrificar o seu sangue” para defender o povo.

Pela terceira noite consecutiva, os opositores de Morsi juntaram-se em protestos multitudinários por todo o país. No Cairo, um manifestante diz que “a legitimidade [do povo] começou na praça Tahrir”.

Outro sublinha que os manifestantes não vão “tomar parte em nenhum conflito” e irão “manter-se unidos até ao fim”.

O movimento Tamarrod, que deu origem às mega manifestações contra Morsi, acusou o presidente de “ameaçar o povo”. A Frente de Salvação Nacional, principal bloco da oposição, foi mais longe, dizendo que o discurso de Morsi é um apelo à guerra civil.