Última hora

Última hora

Música e beleza nos jardins da Toscania

Em leitura:

Música e beleza nos jardins da Toscania

Tamanho do texto Aa Aa

Um dos lugares mais encantadores da Toscania é o palco, há 25 anos, de um festival de música de câmara. Foi criado em homenagem a Iris Origo, escritora anglo-americana, benfeitora e grande amante das artes, dos jardins, da beleza. Jardins espetaculares, a herdade de La Foce com uma história fascinante. Este é o cenário do festival de música “Incontri in Terra di Siena”, que comemora a vigésima quinta edição.

A arte e a música estão nos genes da família Origo, família que deu início a este festival. Benedetta, responsável pela organização do festival, é filha da escritora anglo-americana Iris Origo, amiga muito próxima do grande violinista Yehudi Menuhin.

“A minha mãe e Yehudi estavam sentados próximos um do outro num jantar em Roma e ele tinha lido o seu livro “Guerra em Val d’Orcia” e queria saber, pela minha mãe, o que tinha acontecido à nossa ama, Schwester Marie. Foi através dela e de Yehudi que conheci o meu marido Alberto. Era o único pupilo de Menuhin e vieram juntos aqui. Foi assim que nos conhecemos e nos apaixonámos”, lembra Benedetta Origo.

Desse casamento nasceu Antonio Lysy, vencedor de um Grammy, violoncelista reconhecido e diretor artístico do Festival. Benedetta recorda que “cada vez que Antonio vinha cá de férias trazia o violoncelo, tocava no jardim perto Castelluccio e costumava dizer: “tem uma acustica fantástica, é ideal para dar concertos.” Quando tinha 20 anos decidiu convidar os amigos da escola para passar as férias aqui. E o que foram as férias deles? Música o tempo todo! A coisa mais bela para um músico…fazer música!”

O festival, que decorre na herdade da família e rodeado de espaços históricos e artísticos, começou no ano seguinte à morte de Iris Origo. A escritora e o marido compraram La Foce no início dos anos 20 e trabalharam arduamente para melhorar a paisagem e as condições de vida de quem aí vivia. Katia Lysy, neta de Iris Origo, explica que “a terra tinha de ser recuperada, barragens, estradas – tudo tinha de ser construído. Esse foi o trabalho do meu avô Antonio. A minha avó Iris construiu uma pequena clínica, uma escola. Durante a guerra, também criou um espaço para acolher crianças refugiadas.”

A homenageada neste encontro de música, Iris Origo, é autora de muitos livros, entre eles os célebres diários de guerra. O compositor e diretor Francesco Cilluffo compôs um ciclo de canções para homenagear o trabalho e a personalidade da escritora.

Francesco Cilluffo acredita que “Iris Origo conseguiu identificar a essência do povo italiano: no fim do seu diário de guerra diz: só vejo devastação à minha volta mas sei que o arregaçar as mangas e trabalhar muito, a partir do nada, faz parte da essência destas pessoas.” O seu livro e a minha peça terminam com estas palavras: “A morte e a destruição visitaram-nos mas há esperança no ar.”

Nesta reportagem pode ouvir excertos das seguintes peças:
“Un Rien” Nr. 8, em Dó Maior, e “Prélude Soi-Disant Dramatique” em fá sustenido maior, de Gioachino Rossini; Marco Marzocchi no piano;
“Gran Tango for cello, piano and strings, de Astor Piazzolla e José Bragato – Antonio Lysy no violoncelo.

O festival de música “Incontri in Terra di Siena” decorre entre 19 e 28 de Julho na Toscania, em Itália.