Última hora

Última hora

Clã Mandela: um exemplo de desunião que escandaliza os sul-africanos

Em leitura:

Clã Mandela: um exemplo de desunião que escandaliza os sul-africanos

Tamanho do texto Aa Aa

O clã Mandela envolveu-se numa guerra sobre o local para a sepultura do líder anti-apartheid. Roupa suja que está a ser lavada no tribunal.
Em Qunu, a aldeia em que o cresceu Mandela, estiveram enterrados três dos seus filhos até que, há dois anos, foram transladados para 20 quilómetros, em Mvezo, a aldeia natal de Madiba.

Os terrenos são propriedade do neto, Mandla Mandela, que construiu um mausoleu dedicado à memória do avô.

Mandla, é o filho de Makgatho, um dos três filhos falecidos de Mandela. Makgatho foi uma das vítimas mortais da SIDA, em 2005.

Eleito chefe do clã em Mvezo, Mandla foi responsável pela transladação dos corpos para aquela localidade.

Mandla, neto de Nelson Mandela, defende-se:

“Recebi instruções de minha tia Makaziwe para transladar os restos e enterrar num lugar secreto, em Qunu onde ela prepara o túmulo do meu avô. Como não se tratava de uma ordem direta dele não segui estas instruções”.

Mas a tia Makaziwe, que é a filha mais velha de Mandela, levou o caso a tribunal, apoiada por 14 membros da família.

A 3 de julho, um juiz do tribunal regional de Mthatha, a 700 quilómetros a sul de Johannesburgo, deu-lhes a razão e ordenou a exumação e o regresso dos corpos às sepulturas originais, em Qunu.

Poucas horas depois, executava-se a ordem judicial e abria-se à força a grade do recinto da propriedade de Mandla.

Na coluna fúnebre podia ver-se a tia Makaziwe acompanhada do meio irmão de Mandla.

No dia seguinte, o carro fúnebre levou os restos mortais para Qunu. A contenda familiar resolvida pelos tribunais provocou uma grande emoção. A tradição impede que se perturbem os espíritos dos defuntos, como explica Sollyn Duku, um curandeiro:

“Se há um consenso no seio da família, isto significa que os espíritos também estão em paz. Mas este desacordo na vida mundana significa que há algo que também propõe um desafio à vida espiritual”.

Rezam por Mandela, enquanto a família do herói se bate pelo seu legado, algo que escandaliza os sul-africanos e que os entristece ainda mais.