Última hora

Última hora

Tragédia grega da emigração no palco

Em leitura:

Tragédia grega da emigração no palco

Tamanho do texto Aa Aa

Baseada num bairro degradado de Atenas, a companhia de teatro Vice Versa usa a arte para combater o preconceito e promover a coesão entre os gregos e os imigrantes.

O pano de fundo da mais recente produção da companhia é um edifício antigo e conta as histórias de imigrantes que vivem sob a constante ameaça da perseguição.

Aos artistas gregos juntam-se atores de todos os cantos do mundo, incluindo da Nigéria, Síria e do Irão.

Bakhar Hussein Al Bakhar, ator sírio: “A Grécia não é a minha pátria, mas é o meu segundo país. Sinto-me afortunado por ter dois países. Mas se tivesse documentos legais seria “humano” porque acredito que hoje em dia só se é um ser humano, se se tiver papéis. Se eu tivesse documentos ou um documento de identificação para poder viajar, seria um ser humano normal.”

Elias Kiama Tzogonas, ator: “Acredito que, mesmo que haja uma pequena percentagem de pessoas que não nos querem aqui, que nos odeia, há uma muito maior que tem estado na minha vida, a minha família, a minha aldeia.”

O intuito da peça é também servir como um instrumento político.

Aggeliki Girginoudi, Diretor, “That’s Life”: “Queremos puxar a cortina e queremos que os espetadores vejam as suas próprias vidas, através das nossas histórias pessoais. E no final tornamo-nos um, pensar que todos somos uma só alma neste universo e devemos respeitar o outro. Não há almas ilegais, os imigrantes ilegais”.

O grupo de teatro depende da boa vontade: boa vontade dos figurinistas, dos construtores do palco, dos voluntários da iluminação.

Os bilhetes são gratuitos, mas a maioria das pessoas deixa doações depois de assistir a este espetáculo, com alma de emigrante.