Última hora

Última hora

Levantamento da imunidade para ministro que escondeu lista de Lagarde

Em leitura:

Levantamento da imunidade para ministro que escondeu lista de Lagarde

Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento grego aprovou a abertura de um processo judicial contra George Papaconstantinou, que foi ministro das Finanças entre 2009 e 2011.
Depois de uma investigação parlamentar, os deputados votaram a favor de levantar a imunidade a Papaconstantinou, suspeito de ter falsificado uma lista de supostos exilados fiscais, durante o seu mandato.

Zoe Konstantopoulou deputada do partido Siryza:

“Guardou a lista. Colocou-a numa gaveta e nunca entregou às autoridades estatais o cd com a informação”.

Papaconstantinou é acusado de, entre outras coisas, ter apagado os nomes de três primos da lista com os nomes de 2 059 gregos. Ele sempre negou as acusações:

George Papaconstantinou: “Nego completa e totalmente essas acusações. Não agi de má fé, não alterei qualquer documento nem faltei ao meu dever. Não me podem culpar por todos os males do país. Não só é injusto atribuirem-me os pecados dos governos anteriores dos dois partidos. Atinge-me na minha honra.”

A lista de titulares de contas na Suíça foi roubada ao banco HSBC por piratas informáticos e acabou nas mãos da ministra francesa da Economia em 2010, Christine Lagarde, que entregou os nomes gregos ao governo de Atenas.

Os gregos, em geral, só tiveram conhecimento da lista em setembro de 2012, quando a revista de investigação Hot Doc a publicou.

O chefe de redação, Kostas Vaxevanis foi detido, processado por atenttar contra a vida privada e, finalmente ilibado:

“Só fiz o meu trabalho de jornalista. Divulguei a verdade escondida pelas autoridades. Se alguém deve prestar contas â justiça são os ministros que dissimularam a lista e sempre negaram a sua existência. Apenas fiz o meu trabalho. Sou jornalista, não fiz mais do que o meu dever”.

O ex-ministro e economista Papaconstantinou foi quem arquitetou o primeiro plano de austeridade grego em 2010. Foi expulso do PASOK depois das revelações da Justiça no ano passado relacionadas com os três nomes de membros da sua família apagados da lista de Lagarde. Se for condenado, arrisca-se a uma pena de 10 anos de prisão.

Stamatis Giannisis, repórter da euronews em Atenas:

“Apesar de George Papaconstantinou ser o primeiro político grego na história recente a sofrer tais acusações, a população está pouco confiante nos resultados, julgando a lista de Lagarde uma ponta de um iceberg que, dificilmente, será destruido. A corrupção e fuga aos impostos são um problema endémico na Grécia”.