Última hora

Última hora

Interpol detém 6000 pessoas e apreende 100 milhões de euros de contrafações

Em leitura:

Interpol detém 6000 pessoas e apreende 100 milhões de euros de contrafações

Tamanho do texto Aa Aa

Seis mil pessoas detidas em quatro continentes e mais de 100 milhões de euros de produtos falsificados apreendidos. Este é o resultado de uma série de operações levadas a cabo, em maio e junho, pela Interpol.

“O mercado da contrafação tem florescido ao longo dos anos. É, na minha opinião, uma das atividades criminosas de crescimento mais rápido. E isso tem a ver com o desenvolvimento tecnológico e é o resultado da capacidade dos gangs para fazerem dinheiro fácil”, explica Michael Ellis, chefe da Unidade de Tráfico de Contrafações e Bens Ilícitos da Interpol.

A agência, sediada em Lyon, na França, coordenou operações quatro operações, em quatro continentes, que resultaram na na apreensão de 24 milhões das mais diversas contrafações.

Só na Turquia, por exemplo, foram detidas mais de três mil pessoas, e 12 milhões de maços de falsos cigarros foram apreendidos.

Cigarros falsificados também na Ucrânia, onde uma fábrica ilegal foi desmantelada.

Na Namíbia – outro exemplo – as autoridades apreenderam mais de 200 mil produtos falsificados, incluindo bebidas alcoólicas.

“Falar de bebidas alcoólicas contrafeitas na Namíbia pode parecer algo longínquo mas, tendo em conta a larga escala e os elevados valores da atividade criminal, elas podem entrar rapidamente na cadeia de abastecimento, viajar através do globo e acabar num supermercado ou num bar perto de si”, explica o jornalista da euronews, Paul McDowell, que, bebendo uma cerveja de duas cervejas colocadas à sua frente se questiona: “Mas qual a genuína e qual a falsificada?”

Michael Ellis, da Interpol, quer pôr fim à eventual ideia de que apenas alguns bens são alvo de contrafação: “Acabaram-se os tempos em que a contrafação se limitava, eventualmente, aos bens de luxo. Hoje em dia, absolutamente tudo pode ser contrafeito – e isso vê-se nas nossas operações.”

As operações da Interpol conduziram à abertura de uma série de investigações por lavagem de dinheiro, corrupção ou tráfico de armas, na América, na África, na Ásia e na Europa.