Última hora

Última hora

Israelitas e palestinianos retomam negociações de paz em Washington

Em leitura:

Israelitas e palestinianos retomam negociações de paz em Washington

Tamanho do texto Aa Aa

Antes de arrancarem as negociações de paz, o governo de Israel aprovou a libertação de 104 prisioneiros palestinianos, com cidadania israelita, após mais de 20 anos de cativeiro. Aliás, esta libertação dos presos era uma condição dos palestinianos para voltarem a negociar a paz. Mas esta decisão não foi bem recebida por todos os israelitas.
Um manifestante de Jerusalém garantia que “não se devem libertar terroristas assassinos. É um crime indescritível, estão a cuspir na cara das famílias das vítimas e dos israelitas. Quem matou pessoas inocentes, mulheres e crianças não pode ser libertado e tornar-se um herói. A experiência mostra que vão voltar ao terrorismo. Não podemos repetir o mesmo erro, não podemos libertar terroristas.”

A Autoridade Palestina saudou a decisão de libertar os prisioneiros e disse que é uma etapa importante. Mas em Ramallah, muitos palestinianos voltaram a sair às ruas. Estão contra o retomar do diálogo, após três anos de interregno. Khalida Jarar, líder da Frente Palestiniana para a Libertação da Palestina afirma que “os manifestantes querem enviar uma mensagem política: estão contra as negociações. A contínua repressão do direito de expressão e de manifestação é inaceitável. Não vão conseguir calar as vozes que estão contra estas negociações.

O diálogo deve então recomeçar esta segunda-feira em Washington, nos Estados Unidos, com a mediação do secretário de Estado norte-americano John Kerry. O líder da autoridade palestiniana, Mahmoud Abbas, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu devem encontrar-se nos Estados Unidos. De acordo com Kerry, os encontros desta semana servirão para desenvolver um plano de negociações para os próximos meses.