Última hora

Em leitura:

Primeiro transplante facial "rápido"


science

Primeiro transplante facial "rápido"

Em parceria com

Após três meses de hospitalização, a primeira pessoa a ser submetida a um transplante facial na Polónia saiu do hospital. Aos 33 anos, Grzegorz ficou desfigurado na sequência de um acidente de trabalho. Normalmente a operação não é feita logo após o acidente. Mas como o estado de saúde do doente estava a agravar-se os médicos tiveram de agir depressa.

“Havia um grande perigo que não se tinha registado nos transplantes de cara anteriores. Não tínhamos uma compatibilidade imunitária correta nem o antigénio histocompatível. Por exemplo, no primeiro transplante, feito em França, havia cinco ou seis antigénios compatíveis enquanto no nosso transplante apenas dois em seis eram compatíveis. Havia por isso um risco elevado de o corpo rejeitar o transplante”, disse o professor Sebastian Giebel, do Instituto de Oncologia de Gliwice.

A operação durou 27 horas. Foi realizada três semanas após o acidente. Um intervalo de tempo particularmente curto para este tipo de cirurgia. O transplante do rosto é extremamente complicado e requer normalmente meses ou mesmo anos de preparação. A cirurgia permitiu a reconstrução da face, dos maxilares e do palato.

A dificuldade teve a ver com o facto de se tratar de uma primeira operação que nos obrigou a agir imediatamente.
Os tecidos estavam tão danificados que o corpo não era capaz de se curar até ao momento da operação.
Em transplantes anteriores noutras partes do mundo, o corpo tinha tempo para o processo de fibrose, para prepará-lo para a operação”, explicou o professor do mesmo instituto.

O estado de saúde de Grzegors melhorou bastante desde a cirurgia.
Agora já vê, já pode ler, voltou a sentir os sabores dos alimentos e o olfato começa a melhorar.Ainda tem dificuldades em falar, os músculos faciais precisam de treino. Segundo os médicos, vai voltar a falar normalmente, é uma questão de tempo para que a estrutura neuronal possa ser regenerada.

Os nossos destaques

Artigo seguinte

science

Os riscos sísmicos associados à energia geotérmica