Última hora

Última hora

Reino Unido: "Horários zero" contestados

Em leitura:

Reino Unido: "Horários zero" contestados

Tamanho do texto Aa Aa

O Reino Unido não costuma ser notícia devido a problemas laborais mas nem tudo corre bem. Muitos lojistas das grandes superfícies têm contratos precários, de “horários zero”. Estes contratos permitem a empresas como a Sports Direct, usufruírem de um grande número de trabalhadores, que estão de prevenção, mas que só são chamados a trabalhar quando a empresa necessita. Estes trabalhadores só auferam as horas trabalhadas e não têm direito a férias ou subsídios.

“Eles colocam a escala, para as duas semanas seguintes, numa parede, mas podemos ir e ver que mudou. Por isso podemos ir terça-feira e descobrir que estamos escalados para trabalhar na sexta, mas antes isso não estava lá. Ou podemos chegar para trabalhar e descobrimos que afinal nos mandam para casa. Como, tecnicamente, estamos empregados, não nos podemos candidatar ao subsídio de desemprego ou algo parecido,” afirma este trabalhador.

Estes contratos de “horários zero” estão a ser contestados pelos sindicados.

De acordo com o Instituto de Estatística Britânico o número de pessoas com este tipo de vínculo laboral passou de 89 mil, em 2004, para os atuais 200 mil.