Última hora

Última hora

Reino Unido introduz código de conduta para câmaras de vigilância

Em leitura:

Reino Unido introduz código de conduta para câmaras de vigilância

Tamanho do texto Aa Aa

Criticado à nascença. Assim se pode resumir a polémica em torno do código de conduta, introduzido esta segunda-feira pelo ministério britânico do Interior, para a utilização das câmaras de vigilância no Reino Unido. Tudo porque o código não prevê punições para quem não respeitar as regras, num país que concentra 20% das câmaras de vigilância mundiais.

Em entrevista à euronews, um londrino reconheceu: “Estão em todo o lado. Muitas vezes não as vemos. A mim não me incomoda”. Já outra britânica disse: “Por um lado é bom, porque nos sentimos protegidos, mas por outro lado, somos vigiados o tempo inteiro e por isso pode ser uma violação da privacidade”.

Segundo a organização Big Brother Watch, em média, um londrino é filmado 300 vezes por dia.

A organização considera o código “um passo no bom caminho”, mas garante que não chega. Emma Carr, da Big Brother Watch, explica: “Precisamos de um código de conduta que é mais do que isso. Tem de ser executável, com estatuto legal, o que significa que é obrigatório. Se um operador de câmara, quer seja do setor público quer seja do privado, não respeitar o código será penalizado. Deverá enfrentar a justiça pela violação da lei da proteção de dados e a violação do código e terá de prestar contas”.

Ali May, o correspondente da euronews em Londres, recorda que “quando George Orwell surgiu com a imagem do “Big Brother” no livro “1984” estava talvez longe de pensar que o seu país, o Reino Unido, meio século mais tarde, estaria a usar um quinto das câmaras a nível mundial para vigiar os cidadãos e muito menos que haveria um dia um código de conduta para o uso das câmaras de vigilância”.

Leia o código de conduta neste link: https://www.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/204775/Surveillance_Camera_Code_of_Practice_WEB.pdf