Última hora

Última hora

Grécia: Repúdio por crime neonazi junta-se aos protestos contra a austeridade

Em leitura:

Grécia: Repúdio por crime neonazi junta-se aos protestos contra a austeridade

Tamanho do texto Aa Aa

“Fascismo nunca mais” – é com este cartaz que os gregos acrescentaram, ao protesto contra a austeridade, o repúdio pelo assassinato, na terça-feira, de um “rapper” de esquerda por um simpatizante do partido Aurora Dourada.

Os manifestantes exigem agora que a formação de extrema-direita seja “isolada” da cena política do país.

“O oxigénio da democracia tem diferentes rostos, mas esta gente mostra que não quer democracia, quer é miná-la. Não discordam dos opositores políticos: executam-nos!” – vocifera um manifestante. Outro corrobora: “A Aurora Dourada ataca os imigrantes e agora começa a atacar quem luta pelos verdadeiros direitos do povo. Foi assim que aconteceu com Hitler. E é o que estão a fazer agora.”

A sede da Aurora Dourada foi alvo de buscas policiais para estabelecer se o partido está ligado ao assassinato. O presumível assassino do “rapper” Pavlos Fyssas, conhecido pelo nome artístico de Killah P, foi detido pela polícia e reconheceu os factos.

Segundo Nikos Dendias, ministro da Proteção Civil, “o assassinato abominável por um simpatizante da Aurora Dourada mostra claramente, de acordo com as suas declarações, intenções neonazis.”

A Aurora Dourada, partido cujas cúpulas expressam admiração por Hitler, negou qualquer envolvimento no assassinato, que qualificou de “crime hediondo”.

Nas últimas eleições gregas, o partido recolheu 7% dos votos.