Última hora

Última hora

Membro da Aurora Dourada acusado de matar músico antifascista

Em leitura:

Membro da Aurora Dourada acusado de matar músico antifascista

Tamanho do texto Aa Aa

O homem que confessou ter morto o músico grego antifacista já foi presente a tribunal e foi acusado de homicídio. O homem de 45 anos foi detido na posse de uma arma branca pouco depois do ataque, confessou o crime e disse pertencer ao partido neonazi, Aurora Dourada. Os responsáveis do partido já negaram qualquer ligação a este caso e dizem mesmo que estão a ser alvo “exploração política”.

Recorde-se que “rapper” de 34 anos, simpatizante de movimentos de extrema-esquerda, morreu na madrugada desta quarta-feira, depois de ter sido esfaqueado pelo membro do Aurora Dourada. Pavlos Fyssas era conhecido no meio artístico do país como Killah P e terá discutido com o agressor num café no bairro de Amfiali, no subúrbio de Keratsini. Fyssas ainda conseguiu dizer à polícia o nome do homem que o atacou, mas acabou por morrer pouco depois de ter sido levado para o hospital Tzanneio.

Este incidente acendeu ainda mais a contestação na Grécia onde já havia manifestações contra a austeridade. “Fascismo nunca mais” – era uma dos frases gritadas durante os protestos que ocorreram um pouco por toda a Grécia: para além da capital, houve manifestações em Salónica (norte) e Patras (oeste). Estes protestos acabaram em confrontos com a polícia. Em Atenas, a polícia disparou granadas de gás lacrimogéneo para tentar dispersar manifestantes. Em Salónica e Patras, os centros das cidades foram fechados pela polícia de choque.