Última hora

Última hora

31 galerias na Docks Art Fair em Lyon

Em leitura:

31 galerias na Docks Art Fair em Lyon

Tamanho do texto Aa Aa

Em paralelo à Bienal de Arte Contemporânea de Lyon, um grupo de galerias organiza a Docks Art Fair. Este ano, o evento reúne 31 galerias e artistas de doze países. A Docks Art Fair foi criada em 2007 e é cada vez apreciada pelo público.

“Desde que a Docks Art Fair existe, noto que o público é cada vez mais fiel. Por outro lado, temos novos visitantes que vêm de cada vez mais longe”, afirma o fundador do evento, Olivier Houg.

O galerista francês Georges Verney-Carron expõe as obras da artista peruana Patricia Camet. Estar em Lyon durante a Bienal é uma oportunidade de negócio.

“Penso que a comunicação global sobre a bienal chama muita gente, é algo muito favorável. Temos aqui colecionadores e jornalistas do mundo inteiro, penso que é excecional. É uma coisa que não acontece todos os dias no domínio da arte”, disse Georges Verney-Carron.

A Galeria Voss expõe as obras de Mary A. Kelly. A artista irlandesa fotografou uma prisão de alta segurança.

“Estou muito contente. Vendi duas fotografias de Mary A. Kelly, uma dela à câmara de Lyon”, disse Rüdiger Voss, proprietário de uma galeria em Dusseldorf.

A Galeria RX em Paris, vende as obras do francês Fabien Verschaere, e mostra-se satisfeita com a dinâmica da Docks Art Fair.

“A imprensa e os colecionadores estão presentes, já trabalho e vários anos e mantenho-me sempre em relação com eles. Não posso dizer que seja um bom ano para os negócios mas já houve pior”, afirmou Eric Dereumaux, proprietário da galeria.

Outra galeria francesa, a a2z, vende as obras de Luke Newton.

“Represento um artista inglês, Luke Newton, que estabelece uma relação muito imediata com o público e com os colecionadores mais jovens, eles compreendem logo a mensagem. No meu caso, tenho conseguido vender”, disse Anthony Phuong.

Para o parisiense Laurent Godin, a prioridade é sensibilizar o público para a importância da arte na vida quotidiana.

“Tenho a impressão de que o mercado em Lyon está pouco desenvolvido e é pena. É preciso familiarizar o público com a ideia de que arte é algo com que podemos conviver e que ter obras em casa pode mudar a nossa vida”, afirmou Godin.

Apesar das limitações, a presença na Docks Art Fair permite às galerias ganharem visibilidade local e internacional.

Os galeristas de Lyon são unânimes: o evento tem ajudado a ampliar o mercado da arte contemporânea na região.