Última hora

Última hora

Assassinato do 'rapper' grego: PM insurge-se contra "descendentes de nazis"

Em leitura:

Assassinato do 'rapper' grego: PM insurge-se contra "descendentes de nazis"

Tamanho do texto Aa Aa

Foi num ambiente de extrema tensão que foi a enterrar o “rapper” grego morto à facada por um simpatizante neonazi.

O assassinato de Pavlos Fissas, conhecido pelo nome artístico de Killah P, trouxe à tona da sociedade grega um mal-estar face ao partido de extrema-direita Aurora Dourada, do qual o assassino confesso é simpatizante.

O primeiro-ministro grego, o conservador Antonis Samaras, já reagiu: “Este governo está determinado a não permitir que os descendentes de nazis envenenem as nossas vidas, cometam crimes, aterrorizem e minem as fundações deste país que foi berço da democracia. A democracia é muito mais forte do que os inimigos pensam!”

A Aurora Dourada, que surpreendeu tudo e todos ao alcançar 18 assentos no parlamento, nas últimas eleições, recusa qualquer implicação com o crime que qualificou de “ato hediondo”. O deputado da Aurora Dourada Ilias Kassidiaris insurgiu-se contra o que considera um aproveitamento político da situação: “Eu condeno esta palhaçada e todos os que exploram o sangue de um jovem por motivos políticos com o objetivo de declararem guerra à Aurora Dourada e de ganharem votos.”

O assassinato do músico, na noite de terça para quarta-feira, nos arredores de Atenas, abalou a Grécia e fez as manchetes de todos os jornais gregos, enquanto as organizações internacionais alertam para os perigos da recrudescência neonazi.