Última hora

Última hora

Ativistas da Greenpeace em prisão preventiva na Rússia

Em leitura:

Ativistas da Greenpeace em prisão preventiva na Rússia

Tamanho do texto Aa Aa

Foram colocados em prisão preventiva, na Rússia, os 30 ativistas da Greenpeace que, na semana passada, tentaram abordar uma plataforma petrolífera russa no Ártico.

A polícia de Murmansk quer interrogar todos os ativistas. Oriundos de 18 países, poderão ser julgados por pirataria em grupo organizado – crime que, na Rússia, tem uma pena de até 15 anos de prisão.

Mas a questão é delicada. O presidente Vladimir Putin reconhece que os ecologistas “não são, obviamente piratas mas violaram a lei internacional”, diz, ao tentarem, na passada semana, invadir uma plataforma da Gazprom.

Os ecologistas pretendiam chamar a atenção sobre o perigo da exploração de petróleo no Ártico.

Agora denunciam também o assalto militar dado pelas autoridades russa, que arrestaram o navio da Greenpeace, Artic Sunrise, e o rebocaram para Murmansk.