Última hora

Última hora

Reações ao discurso de Rohani

Em leitura:

Reações ao discurso de Rohani

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente iraniano, Hassan Rohani, afirmou, esta terça-feira na Assembleia Geral de Nações Unidas, que as armas nucleares e de destruição em massa “não têm lugar na doutrina de segurança e defesa” do seu país e ofereceu um “diálogo construtivo” aos Estados Unidos.

Hassan Rohani, presidente iraniano:
“O Irão não constitui uma ameaça, nem para o mundo nem para a região, nem em fatos, nem em ideologia, nem na prática. O meu país é um porto de justiça e segurança.”

Nial O’Reilly – O nosso correspondente em Washington, Stefan Grobe, tem estado a seguir a Assembleia da ONU.
Stefan, temos tido tempo para refletir sobre o discurso, aparentemente conciliador, do presidente Rohani. Qual foi a principal mensagem? Que disse ele ao mundo sobre o Irão de hoje?

“Penso que o objectivo do discurso era chegar à comunidade internacional e aos próprios iranianos. Primeiro, falou de tolerância e de concórdia, e, claro, que as armas nucleares não têm futuro no Irão. Mas depois não apresentou nenhuma proposta concreta para atingir um compromisso sobre o assunto. Em segundo lugar, a nível interno, Rohani criticou as sanções ocidentais, pediu que se ponha fim ao isolamento económico do Irão e ao sofrimento do país.”

Rohani abordou ainda a evolução das relações com os Estados Unidos, execráveis há 35 anos:

“O Irão quer chegar a um compromisso construtivo com os outros países, assente no respeito mútuo e no interesse comum. O Irão não procura aumentar a tensão com os Estados Unidos.”

Nial O’Reilly – Como foi recebido o discurso pela Administração Obama e pelos norte-americanos em geral?

Stefan Grobe – A Administração Obama está, provavelmente, dececionada porque, no fim, não houve apertos de mão. Os norte-americanos disseram aos iranianos, em privado, que estavam dispostos a manter um encontro informal à margem da Assembleia Geral, mas não uma reunião bilateral. Acabou por ser complicado para os iranianos. De modo que há deceção, mas também ceticismo, nomeadamente entre os membros pró-israelitas do Congresso.

Na próxima quinta-feira o secretário de Estado norte-americano e o chefe da diplomacia iraniana vão participar numa reunião do Grupo 5 +1 com o Irão.
Será o encontro de mais alto nível entre responsáveis por ambos países desde 1979.