Última hora

Última hora

Governo francês explica em Bruxelas cortes no orçamento de 2014

Em leitura:

Governo francês explica em Bruxelas cortes no orçamento de 2014

Governo francês explica em Bruxelas cortes no orçamento de 2014
Tamanho do texto Aa Aa

Um dia depois do governo francês ter apresentado o orçamento para 2014, o ministro das Finanças, Pierre Moscovici, deslocou-se a Bruxelas para dar conta do documento à Comissão Europeia.

O governo francês quer poupar 15 mil milhões de euros, mas sem voltar a grandes aumentos de impostos. A aposta é cortar nas despesas do Estado.

“A França está a fazer reformas. Posso mencionar a reforma do mercado de trabalho, a maior em 40 anos, bem como a redução dos défices estrutural e nominal e ainda posso acrescentar que é essencialmente através da poupança que agimos”, disse Moscovici.

O défice da França para este ano será de 4,1%, valor acima do exigido por Bruxelas, mas o o governo compromete-se a tudo fazer para merecer os dois anos suplementares dados por Bruxelas para fazer descer o défice abaixo dos 3%.

A correspondente da euronews, Audrey Tilve, refere que “a mensagem de apaziguamento foi dirigida a Bruxelas, que agora tem poderes para pedir alterações aos orçamentos dos países-membros, mas também para os franceses que esperam um alívio fiscal”.

Apesar de prometer que 80% das poupanças virão do corte nas despesas, o governo de Paris prevê aumentar a taxa do IVA.

Ou seja, a chamada “pausa fiscal” prometida para 2014 passa para o ano seguinte e a popularidade do presidente François Hollande desceu a pique, para apenas 23% do eleitorado.

Uma das principais reformas prometidas é na função pública: a saída de mais de 10 mil funcionários em áreas menos importantes para poder reforçar contratações na educação, justiça e polícia.