Última hora

Última hora

Relatório climático alarmante: o planeta está em risco

Em leitura:

Relatório climático alarmante: o planeta está em risco

Tamanho do texto Aa Aa

Os desastres naturais vão ocorrer com mais frequência num futuro próximo, se nada for feito para deter as mudanças climáticas.
Apesar de algumas dúvidas sobre sobre o impacto do Homem no aquecimento global, houve um sério debate sobre a proporção dessa influência. Hoje, os especialistas do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas têm a certeza que foi a atividade humana que provocou valores jamais previstos de alerta máximo..

As conclusões do relatório deste painel das Nações Unidas, apresentado em Estocolmo, atribuem 95% da culpa pelo aquecimento global ao Homem. Em 2001, essa culpa era calculada em 66%, por isso, por isso a responsabilidade cresceu 29%.

A temperatura do planeta poderá aumentar até 4,8ºc, este século, e o nível do mar pode subir até 82 centímetros, com danos relevantes na maior parte das regiões costeiras do globo,

Estes dados são alarmantes, mostram uma subida de 23 cmem seis anos; o relatório de 2007 calculava a subida do nível do mar de 18cm a 59 cm.

O relatório deste ano é a compilação do trabalho de centenas de cientistas, duplamente escrutinado depois de um pequeno erro em 2007, em que se exagerava o degelo nos Himalaias. O erro foi usado pelos céticos para minimizar a importância das previsões e descredibilizar o IPCC, co-autor do Prémio Nobel de 2007.

O painel também minimizou as teorias que indicam que as temperaturas aumentaram mais lentamente nos passados 15 anos. Os cientistas do IPCC justificam que, mesmo sendo verdade, o aumento está ligado a variações naturais que não vão durar.

Mais uma vez, os líderes mundiais são chamados a reduzir as emissões de CO2, principal causa do aquecimento global.
Os governos concordam em trabalhar no sentido de chegar a acordo, nas Nações Unidas, até 2015, sobre a emissão de gases com efeito estufa. Em 2009, na Conferência da ONU em Copenhaga, os líderes mundiais fracassaram redondamente.

Com a desflorestação desenfreada e as emissões de gases poluentes, o ambiente está ferido de morte. A humanidade vai enfrentar tempestades imprevisíveis, chuvas torrenciais, inundações que arrasarão aldeias, vilas, ilhas…e, como sempre, são os países pobres que sofrem mais com estas catástrofes.