Última hora

Última hora

Comédia com Danny Boon e vulcão islandês

Em leitura:

Comédia com Danny Boon e vulcão islandês

Tamanho do texto Aa Aa

Ex-marido e ex-mulher odeiam-se mas são obrigados a viajar juntos para chegar a tempo ao casamento da filha na Grécia. A ação passa-se em 2010 durante a erupção do vulcão Islandês que paralisou o tráfego aéreo europeu.
O nome do vulcão foi escolhido para título do filme onde a única erupção visível é a do ódio entre duas pessoas.

“Não é muito divertido viver essa situação, odiar-se. Quando vemos casais na rua a insultar-se não tem graça mas faz-nos rir. Como atores temos de incarnar essa realidade de forma cómica”, contou a atriz francesa Valérie Bonneton.

“Fazer rir as pessoas é algo muito sério”, disse o ator francês Dany Boon.

O realizador francês Alexandre Coffre apostou na cumplicidade entre Danny Boon e Valérie Bonneton, dois atores que se conhecem há vinte anos.

O objetivo de cada uma das personagens é chegar à Grécia e ao mesmo tempo impedir a chegada do outro.

“Centrei-me sempre nas duas personagens. A ideia era estar sempre com eles, viver a ação, a comédia e tudo o resto. É história, a relação deles que leva à ação, não é o acaso. A relação deles torna-se complicada e é o conflito que produz a ação e a comédia”, disse o realizador.

“Não é fácil fazer um road movie. O público segue-nos ao longo de todo o filme e por isso as personagens devem transformar-se para que as coisas funcionem e o público aceite de seguir a história”, afirmou Dany Boon.

Danny Boon é o ator mais bem pago do cinema francês. Tornou-se famoso e milionário com o filme “Bienvenue chez les Ch’tis”, uma comédia que o próprio escreveu, filmou e protagonizou.

As filmagens duraram cinco semanas. A viagem começou em Munique na Alemanha, passando pela Áustria, Eslovénia até à chegada à Grécia. No total, a equipa viajou 5000 quilómetros.

“Tivemos equipas de produção alemãs, crotas, belgas e francesas. Descobri muitos talentos na Croácia, na Eslovénia. Há atores fantásticos do teatro e que não fazem muito cinema porque nesses países não se fazem muitos filmes, mas são grandes atores”, contou o realizador.