Última hora

Última hora

Integração dos ciganos na Europa Ocidental exige investimento

Em leitura:

Integração dos ciganos na Europa Ocidental exige investimento

Tamanho do texto Aa Aa

O debate sobre a capacidade de integração da comunidade cigana está ao rubro em França, com alguns ministros a defenderem a expatriação dos imigrantes desta etnia vindos da Roménia e da Bulgária.

Mas no coração da Europa ainda se fazem algumas apostas no multiculturalismo. A junta de freguesia de Saint-Josse, em Bruxelas, capital da Bélgica, contratou Florin Muntean como mediador e é graças a ele que a pequena Perla está na escola primária.

“Esta é uma boa escola, uma escola muito bonita. Quero aprender a ler e a falar bem o francês e o holandês”, disse a menina à euronews.

O bairro tem cerca de 1300 emigrantes ciganos que recorrem a Florin, também ele de origem romena, para fazer a ponte entre a comunidade e os serviços de educação, de saúde e segurança social.

O mediador diz que o seu mote é “trabalhar com os ciganos pelo bem dos ciganos”.

A escola tenta fortalecer os laços com as cerca de duas dezenas de crianças ciganas que chegam a cada ano letivo. Mas o diretor lamenta que muitas não terminem os estudos e recorda um caso que o marcou.

“Octavian é uma criança de 12 anos que não sabia nem ler nem escrever, nem sequer sabia escrever o próprio nome. Quando viu a palavra Octavian escrita no ecrã do computador parecia estar a presenciar algo mágico. Mas, um belo dia, deixámos de ter qualquer notícia dele”, disse Eric Leemans.

Maria Sava, mãe da pequena Perla e de outras três crianças, espera dar um melhor futuro à família, que vive na Bélgica há seis anos.

Agora tem o apoio financeiro da junta de freguesia, mas no passado não teve muitas oportunidades: “Não quero que os meus filhos cresçam como eu. A minha mãe não me levou à escola. Cresci sem saber ler, sem saber nada de nada”, disse à euronews.

A chegada a Bruxelas de emigrantes de etnia cigana teve um pico em 2010-2011. A convivência com os habitantes deste bairro não foi fácil ao início mas tem melhorado, como conta o presidente da associação de comerciantes.

“Tivemos pequenos roubos nas lojas, assaltos a quem levava sacos e alguns comentários muito desagradáveis. Mas, por agora, nós sentimos que está tudo muito tranquilo”, explica Chand Prem Kapoor.

Florin sabe que não se mudam hábitos e costumes de um dia para o outro, mas acredita que a integração é um trabalho contínuo. O mediador garante que nas ruas de Saint-Josse já não há ciganos a pedir e acredita que a educação é o caminho para estender esse sucesso a outras ruas da capital belga e da Europa em geral.

Para analisar o assunto em maior profundidade, a correspondente da euronews em Bruxelas, Audrey Tilve, entrevistou Corinne Torrekens, doutorada em Ciências Sociais e Políticas e especialista em questões das minorias.

(veja a totalidade do News+ em vídeo)