Última hora

Última hora

Os sismos da polémica em Espanha

Em leitura:

Os sismos da polémica em Espanha

Tamanho do texto Aa Aa

Próxima do complexo petrolífero Castor, a população de Vinarós vive no medo desde há quinze dias, altura em que se aperceberam de tremores de terra constantes cuja intensidade parece aumentar.

Um total de 24 sismos cuja intensidade máxima ultrapassou 4 graus na escala Richter sacudiu, esta manhã, o Golfo de Valência e percetível nas regiões mais próximas.

“Eu estava em casa com o meu filho quando sentimos o abalo. Olhamos uns para o outro e dissemos ao mesmo tempo, isto é um sismo.”

“A luz começou mexer e a nossa cama também. Foram apenas alguns segundos, mas foi um movimento forte. Foi assustador”.

Técnicos do Ministério da Indústria visitaram nos últimos dias o complexo de Castor para verificar a suspensão de injeção de gás no subterrâneo marítimo que se crê ser responsável pelos sismos.

O projeto do grupo Castor, que teve um investimento de 1200 milhões de euros, aproveitou um antigo poço petrolífero com 1750 metros de profundidade abaixo do nível do mar para injetar um terço da quantidade de gás necessária para o sistema durante 50 dias – o que poderá ter originado os abalos.

Isabel Bonig, consultora para o governo regional de Valência garante que “Não haverá qualquer atividade na empresa até certeza de que a população não corre risco”.

No passado dia 26 de Setembro o Ministério de Indústria ordenou a interrupção temporária da atividade de extração de gás na unidade para pesquisar as causas do aumento da atividade sísmica na zona.

Dentro de uma semana a empresa poderá confirmar ou descartar a relação entre a injeção de gás submarino e os terramotos na costa da Terras do Ebre e Castellon. A injeção de gás está interrompida desde 16 de setembro. Trata-se de um dos maiores complexos do género entre os cinco existentes em Espanha.

Mariano Marzo, Universidade de Barcelona comenta : “A injeção de gás teria causado um primeiro grupo de pequenos terremotos de magnitude e toda essa tensão provavelmente mudou as falhas geológicas existentes, gerando um movimento maior”.

Para os ecologistas esta situação “mostra o quão pouco você sabe” sobre o efeito da variação de pressão do subsolo e sobre a extração de gás não convencional por fracionamento hidráulico cada vez mais em voga.