Última hora

Última hora

Festival Europalia celebra a vibrante cultura indiana

Em leitura:

Festival Europalia celebra a vibrante cultura indiana

Tamanho do texto Aa Aa

“Charishnu”, que significa “O desejo de se mover” é um exemplo da vibrante dança tradicional indiana e foi uma das principais atrações na abertura do festival Europalia.Índia. São 450 eventos, ao longo de quatro meses, em várias cidades belgas.

Cinco mil anos de história apresentados através de sete temas: dos costumes ao uso da água, até aos filmes de Bollywood. Duas grandes exposições, no Centro de Belas Artes de Bruxelas, são os pontos de partida para este imaginário.

“A exposição “O corpo na arte indiana” é uma rara oportunidade para ver alguns objetos que nunca saíram da Índia, tais como joalharia, peças de arte e vestígios arqueológiocs. Um desses exemplos é esta peça descoberta recentemente em Uttar Pradesh”, realça a correspondente da euronews em Bruxelas, Isabel Marques da Silva.

Oito galerias que exibem peças de pequenos museus de província e de grandes coleções privadas, evidenciando a diversidade da Índia, onde convivem budistas, sicks, muçulmanos e cristãos.

O curador Naman Ahuja explica que “trata-se de mostrar a forma contrastante como diferentes comunidades lidam com a morte, o nascimento, a astrologia, isto é, com os ritos de passagem que afetam cada ser humano. Tenta mostrar como há diferentes abordagens desses conceitos”.

Os festivais Europalia visam também mostrar como o país convidado se apresenta nos dias de hoje. Fá-lo com conferências e debates literários mas, no caso da Índia, Bollywood é um dos melhores exemplos de combinação de valores locais com as técnicas de expressão moderna.

“No campo do cinema, tivemos sorte de se celebrarem, em 2013, os 100 anos da indústria cinematográfica indiana e havia muito material por onde escolher. Convidámos vários realizadores, incluindo Anurag Kashyap, que apresentou o filme “Ugly” no Festival de Cinema de Cannes”, refere Kristine De Mulder, diretora-geral da Europalia.India.

Convidados para abertura foram também os irmãos Gundecha, mestres da música tradicional e sagrada. Mas músicos belgas e internacionais, incluindo DJ, vão combinar as suas criações com os distintivos sons da Índia.