Última hora

Última hora

Programa nuclear iraniano discutido em Genebra

Em leitura:

Programa nuclear iraniano discutido em Genebra

Tamanho do texto Aa Aa

O otimismo reina em Genebra onde terça e quarta-feira decorre mais uma ronda de negociações sobre o nuclear iraniano. Esta é a primeira reunião desde a eleição do presidente Hassan Rohani, em junho. Além dos representantes do Irão, a cidade suíça acolhe as delegações da Alemanha, China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

Nas últimas semanas multiplicaram-se os gestos de boa vontade, como o encontro entre o secretário de Estado americano e o chefe da diplomacia iraniana, à margem da Assembleia Geral da ONU. Além desta primeira reunião ao mais alto nível em 30 anos, há que salientar igualmente o discurso do presidente iraniano em Nova Iorque.

Hassan Rohani, presidente do Irão:

“O Irão não representa nenhuma ameaça para o mundo ou para a sua vizinhança. Na verdade, quer em termos de ideais ou da prática política o meu país tem procurado uma paz justa e uma segurança abrangente. Com a vontade política da liderança nos Estados Unidos, e a esperança de que consiga travar os interesses de vistas curtas dos grupos de pressão, podemos alcançar um quadro para resolver os nossos diferendos”.

Depois de deixar Nova Iorque, Rohani e Obama começaram a trocar mensagens pelo Tweeter, as quais nos deram a conhecer que os dois dirigentes conversaram ao telefone e trocaram amabilidades.

De regresso a Teerão, o presidente iraniano foi recebido como um herói pelos que desejam o fim das sanções económicas e como um traidor pelos que recusam negociar com o Grande Satã americano. Na cena internacional apenas Israel mantém um discurso duro contra o regime do Irão.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel:

“Ahmadinejad era um lobo com pele de lobo. Rohani é um lobo com pele de cordeiro. Um lobo que pensa que pode tapar os olhos da comunidade internacional com este disfarce”.

A questão agora é saber o que pode ser negociado. O Irão recusa ceder à principal exigência Ocidental: pôr um termo ao enriquecimento de urânio e armazenar no estrangeiro o stock existente. O desfecho da cimeira de Genebra vai mostrar se os gestos das últimas semanas não passaram de boas intenções ou se um acordo é finalmente possível.