Última hora

Última hora

Michel Sablon, o "revolucionário" que fez renascer o futebol belga

Em leitura:

Michel Sablon, o "revolucionário" que fez renascer o futebol belga

Tamanho do texto Aa Aa

Após mais de uma década de travessia no deserto, a Bélgica tem finalmente uma seleção de futebol que se conseguiu qualificar para o Campeonato do Mundo, que vai decorrer no Brasil, em 2014.

Sob o comando de Marc Wilmots, os Red Devils (como são conhecidos) sonham em, pelo menos, repetir o quarto lugar conquistado no México, em 1986.

Mas para chegarem aqui muito teve de mudar e a euronews foi conhecer o homem que revolucionou o futebol belga, criando um novo esquema de treino praticado desde as escolas de esperanças até aos grandes clubes profissionais.

Esse homem é Michel Sablon, ex-diretor técnico da Associação Belga de Futebol.

Sablon explica que “antes jogávamos 11 contra 11 e decidimos analisar o que se passava. Muitos jogadores não tocavam na bola, corriam sem ânimo. Mudámos a forma de jogar para 5 contra 5, nas crianças até 7 anos, 8 contra 8, nas menores de 10 anos, e só depois 11 contra 11”.

Sablon escreveu mesmo o que chama de brochura, mas é um manual completo que formou uma nova geração de jogadores, alguns hoje muito famosos como Romeo Lukaku ou Marouane Fellaini.

Passaram a seguir o esquema tático 4-3-3 e Michel Sablon explica que o objetivo é “que os jogadores ocupem posições diferentes e assim se formem alguns que são melhores nas laterais, outros na linha de trás. Isto é, que haja uma melhor distribuição do jogo, incluindo as posições táticas no meio-campo”.

“Tudo tinha uma razão de ser. Levou alguns anos a instituir, mas não é por acaso que todos os jovens o seguem agora e não apenas a elite”, acrescenta.

Um modelo de sucesso que leva algumas vozes a defender menos estrangeiros, como foi sugerido na Primeira Liga Inglesa.

Mas o treinador da seleção sub-21, Johan Walem, considera que “limitar o número de estrangeiros no campeonato é um bom debate, mas penso que é mais importante analisar a formação de base dos jovens. Poderíamos, por exemplo, dar mais oportunidades na Bélgica aos jovens belgas e na Inglaterra aos jovens ingleses, etc, sem estar sempre a ir buscar os jovens estrangeiros”.

A prova dos nove só será feita no próximo Verão, quando os Red Devils se juntarem às outras 31 seleções que se deslocam até ao Brasil.