Última hora

Última hora

"Este é um acordo de curto prazo"

Em leitura:

"Este é um acordo de curto prazo"

Tamanho do texto Aa Aa

Stefan Grobe, euronews:

Estamos junto ao Capitólio onde foi alcançado um acordo no senado entre o dirigente democrata, Harry Reid, e o líder republicano Mitch McConnel. Um acordo que vai permitir ao governo reabrir os serviços encerrados, subir o teto da dívida pública e criar condições para novas negociações sobre o orçamento. Isto são as boas notícias. As notícias menos boas é que vai apenas empurrar o problema para o início do próximo ano.

Junto a mim está Tahman Bradley, da ABC News. Tahman, quem são os vencedores e os derrotados deste braço-de-ferro?

Tahman Bradley:

De um ponto de vista puramente político, os vencedores são claramente os democratas e a Casa Branca. Vejamos o que aconteceu. Uma pequena fação do partido republicano, o Tea Party, decidiu usar o voto dos seus membros para enfrentar o governo e usar a dívida pública como meio de pressão para mudar a reforma do sistema de saúde do presidente Obama, mas isso não vai acontecer. Eles foram obrigados a render-se e a render-se de forma incondicional.

Stefan Grobe:

Tahman, este braço-de-ferro transformou-se num procedimento habitual em Washington há já algum tempo. Pensa que a condenação pública desta crise vai mudar alguma coisa em Washington? A forma como se trabalha em Washington vai mudar?

Tahman Bradley:

Essa é uma questão interessante. O presidente Obama disse numa entrevista que acredita que os republicanos perceberam a mensagem e que não vão tentar esta jogada novamente. Mas eu acredito que em janeiro ou fevereiro vamos regressar ao ponto de partida. Este é um acordo de curto prazo. Em janeiro o congresso vai ter que aumentar novamente o financiamento e em fevereiro subir outra vez o teto da dívida pública. Os grupos de pressão abriram brechas e estão a dizer que não vão abandonar a luta contra o Obamacare, apesar disto tudo.