Última hora

Última hora

Luxemburgo: Juncker tenta "desforra" nas eleições de domingo

Em leitura:

Luxemburgo: Juncker tenta "desforra" nas eleições de domingo

Tamanho do texto Aa Aa

O Luxemburgo vai este domingo às urnas para eleger um novo governo depois da crise política que levou à demissão do primeiro-ministro Jean Claude Juncker em julho e à convocação de eleições antecipadas.

Um sufrágio onde o chefe de governo há 18 anos volta a apresentar-se como candidato do partido cristão-social, mais isolado que nunca depois do escândalo sobre as escutas dos serviços secretos ter posto fim à coligação com os socialistas.

Juncker, que rejeitara qualquer responsabilidade na situação, tenta agora a desforra contra os três outros grandes partidos.

“Normalmente nas outras democracias ocidentais a popularidade do primeiro-ministro teria sido totalmente pulverizada, o que não aconteceu aqui. Nas últimas sondagens publicadas há três semanas, Juncker continua a recolher o apoio de 65% dos habitantes do Luxemburgo”, afirma o professor de ciência política Philippe Poirier.

Apesar das sondagens darem como certa uma reeleição de Juncker, o partido deverá sofrer as consequências do escândalo, nomeadamente com uma progressão do voto nos liberais e nos ecologistas.

As duas formações não escondem o objetivo de tentar formar uma coligação a três, com os socialistas e sem a formação de Juncker.
O ex-presidente do eurogrupo escolheu como slogan de campanha duas palavras, “justiça e estabilidade”.