Última hora

Última hora

Os 100 anos de Robert Capa

Em leitura:

Os 100 anos de Robert Capa

Tamanho do texto Aa Aa

Robert Capa, famoso pelas suas fotografias de guerra, faria hoje 100 anos.
Nascido em 1913 em Budapeste, Hungria, no seio de uma família judaica, foi batizado André Ernó Friedmann antes de adoptar o pseudónimo com o qual se convertiria numa lenda do fotojornalismo ao retratar alguns dos mais importantes conflitos do século XX.

Atraído por meios culturais marxistas, Friedmann teve que exilar-se em 1930 na Alemanha, onde se inscreveu na Faculdade de Ciências Políticas de Berlim e trabalhou na maior agência de notícias do país na época, a Dephot.

Dois anos depois, com a subida dos nazis ao poder, foi obrigado a partir. Dirigiu-se primeiro para Viena e depois para Paris.
Em 1934, conheceu a sua primeira namorada Gerda Taro, também ela judia e fotógrafa. Foi com a ajuda dela que inventou a mítica figura do fotógrafo estado-unidense Robert Capa. Taro morreu três anos depois, atropelada por um tanque na Guerra Civil de Espanha, enquanto ambos cobriam o conflito.

Anos mais tarde, já depois de ter fotografado também a guerra sino-japonesa, Capa parte para os Estados Unidos e começa a trabalhar para a revista “Life”. Passa, ainda, por Inglaterra e pela Argélia.

No início do verão de 1944 participa no desembarque da Normandia e documenta o “Dia D” – apenas 11 das fotografias resistiram, batizadas “The Magnificient Eleven”.
Capa cobriu também a Guerra israelo-árabe e ao lado de George Rodger, David Seymour e Henri Cartier-Bresson fundou a agência Magnum.

O fotógrafo húngaro esteve presente nos conflitos mais importantes da história e viveu-os com grande intimidade. Era esse o seu princípio. “Se as fotos não são suficientemente boas, é porque não estive suficientemente perto”. Será sempre reconhecido pela sua fotografia mais famosa, mas também mais polémica, “A morte do soldado miliciano”, que mostra um soldado miliciano republicano a cair no momento em que é alvejado durante a guerra civil espanhola.

Robert Capa morreu na Primeira Guerra da Indochina, no dia 25 de maio de 1954, ao pisar uma mina terrestre. O seu corpo, com as pernas dilaceradas, mantinha preso entre as mãos uma das duas câmaras que levava consigo.