Última hora

Última hora

Greenpeace: Acusação de detidos na Rússia passa de "pirataria" para "vandalismo"

Em leitura:

Greenpeace: Acusação de detidos na Rússia passa de "pirataria" para "vandalismo"

Tamanho do texto Aa Aa

A acusação contra os membros da tripulação do navio da Greenpeace detidos na Rússia desde meados de setembro foi reduzida, passando de “pirataria” para “vandalismo”.

Segundo a lei russa, os acusados de “pirataria em grupo organizado”, arriscavam uma pena até 15 anos de prisão.
O crime de “vandalismo” é passível de uma pena até sete anos de prisão.

Os ativistas protestavam contra a exploração petrolífera no Ártico.
O “Arctic Sunrise”, navio com pavilhão holandês, foi apresado no passado dia 19 de setembro por comandos da guarda costeira russa, depois de ativistas da Greenpeace terem tentado escalar uma plataforma da Gazprom, no Mar de Barents.

O navio seria depois rebocado até Murmansk e a tripulação, composta por 28 militantes da Greenpeace e dois jornalistas, foi colocada em prisão preventiva durante dois meses.