Última hora

Última hora

Egito: Juízes pedem escusa do processo do guia supremo da Irmandade Muçulmana

Em leitura:

Egito: Juízes pedem escusa do processo do guia supremo da Irmandade Muçulmana

Tamanho do texto Aa Aa

No Egito, os juízes que iriam julgar o guia supremo da Irmandande Muçulmana pediram escusa do processo. Os magistrados do Tribunal Penal do Cairo evocaram “razões de consciência” e remeteram o caso para o Tribunal de Apelo da capital egípcia. Os juízes declararam que os acusados vão permanecer detidos. Os réus não estavam presentes na sala de audiências. Para a defesa, esta terá sido a razão pela qual os magistrados pediram escusa do processo. Esta é a segunda vez que o processo é adiado.

“Esta decisão terá sido motivada pela ausência dos acusados. Em particular porque os juízes tinham prometido à defesa que desta vez iriam estar presentes. Mas o ministério do Interior não trouxe os réus ao tribunal. Penso que esta foi a razão principal que levou os juízes a afastarem-se do processo” – explicou, Mohamed Eldamaty, um dos advogados da defesa.

O guia supremo da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, os seus dois adjuntos e 32 militantes islâmicos são acusados de incitação à violência e de cumplicidade na morte de oito participantes numa manifestação contra o ex-presidente Morsi.