Última hora

Última hora

Síria: destruição de instalações químicas não acelera discussões de paz

Em leitura:

Síria: destruição de instalações químicas não acelera discussões de paz

Tamanho do texto Aa Aa

A Síria cumpriu a promessa de encerrar todas as instalações de produção de armas químicas até ao dia 1 de novembro.

O anúncio foi feito hoje pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW), que afirma que 21 das 23 fábricas declaradas por Damasco foram inspecionadas e tornadas inoperáveis.

As duas restantes instalações, nos arredores da capital e Aleppo, encontram-se em zonas perigosas, mas os responsáveis garantem que o material foi removido para as fábricas inspecionadas.

O porta voz da OPCW, Michael Luhan, fala da próxima fase da missão, “a Síria já nos forneceu o plano de destruição do seu arsenal químico. Até dia 15 de novembro, temos que aprovar este plano para garantir que todo o programa de armamento e materiais relacionados vão ser destruídos de forma irreversível, até 30 de junho de 2014”.

À luz da proposta russa para evitar uma intervenção militar internacional contra Damasco, os responsáveis da ONU aceleram os preparativos para a conferência de paz de Genebra, prevista para dia 23 de novembro.

O enviado da ONU para a Síria, Lakhdar Brahimi reuniu-se ontem com o presidente Bashar Al-Assad, em Damasco, que voltou a exigir o fim do apoio ocidental aos rebeldes sírios.

Em paralelo, Rússia e Estados Unidos, que se reúnem na terça-feira em Genebra, para preparar as discussões, continuam sem entender-se sobre os representantes da oposição que deverão discutir com a delegação do governo sírio.

Moscovo defende a presença de várias delegações, incluindo a oposição interna, “tolerada” por Assad, enquanto Washington quer que os opositores sejam representados por uma única delegação, encabeçada pelo Conselho Nacional da Oposição Síria.

Vários diplomatas admitem a possibilidade de adiar a data da cimeira, face às divisões que persistem entre os dois países, mas também quando a oposição continua a manter as reservas sobre a sua participação na conferência.